‘Só pensava em salvar pessoas’: o pescador que resgatou 120 famílias na BA

Jean de Oliveira, 48, conta como retirou centenas de pessoas das águas que inundaram o estado com uma fúria sem precedente

O tempo estava fechado, começou a cair uma chuva fina e voltei para casa naquele sábado, depois de pescar, sem ter ideia de que o curso da minha vida estava prestes a mudar. De repente, veio a fúria da água, que logo alcançou uns 30 centímetros, e só subia. Minha rua, em Itabuna, alagou. E vi que a coisa estava ficando feia, com pessoas desesperadas sem saber o que fazer. Como bons pescadores que somos, meu irmão e eu resolvemos pegar nossa jangada para ajudar como desse os moradores desnorteados. As crianças e os mais velhos não conseguiam atravessar a rua e lá íamos nós, embarcando todos para que completassem o que virou uma travessia. Cheguei a brincar dizendo que havíamos nos tornado um Uber aquático. O nível da água se elevava em uma velocidade assombrosa e inédita. Nunca tinha visto nada parecido. Anoiteceu e, com a gravidade da situação, comecei a retirar o que podia da casa dos vizinhos, com medo de que tudo aquilo que construíram com tanto suor fosse sugado pela enchente.

Ouviam-se gritos de socorro vindos de todos os lados, e a água já ultrapassava os 3 metros quando os bombeiros enfim chegaram. Houve um alívio geral, mas durou pouco. O barco deles quebrou. Foi aí que não tive dúvida e pensei: “Preciso salvar as pessoas, salvar vidas, o maior número que conseguir”. Me marcou profundamente ter resgatado um bebê recém-nascido do 2º andar de um prédio, a bordo da jangada. A mãe me olhava ansiosa, com uma aflição terrível, implorando para que desse tudo certo. Deu. Fiz incontáveis viagens de jangada, cercando toda a área. Estava com dois homens e um cachorro a bordo quando atravessamos uma correnteza muito forte, o cão tentou pular, a embarcação sacudiu e caímos no mar. Consegui frear a jangada com uma corda, todo mundo voltou e seguimos nossa rota em busca da sobrevivência. Salvei ao todo 120 famílias, algumas com a água cobrindo a casa, muita gente quase se afogando. Meus próprios parentes…

Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *