IML de Itamaraju não tem rabecão e remoção de corpos é feito por funerárias: Governo do Estado ignora o problema

Itamaraju: O Instituto Médico Legal (IML) de Itamaraju, município que está entre as maiores cidades do Extremo Sul da Bahia, está sem rabecão há tempos, e por tempo indeterminado. De acordo com as informações dos munícipes, que pediram para não serem identificados, os mortos são transportados em carros de funerárias. O problema vem desde o início deste ano de 2021.

O veículo que vinha dando problemas o tempo todo, ficando mais na oficina do que no IML parou de vez. E o Departamento de Polícia Técnica (DPT), em Salvador, já tem conhecimento do caos, e ignora o problema, agindo como se nada estivesse acontecendo. Várias foram as promessas do Governo do Estado de que um novo veículo seria enviado à cidade, o que não aconteceu.

O IML de Itamaraju está inserido na 8ª Coordenadora Regional de Polícia Técnica de Teixeira de Freitas e atende também aos 13 (treze) municípios do extremo Sul da Bahia, pois já é de conhecimento de todos que o IML de Teixeira só tem dois médicos legistas em seu quadro, os quais atuam em regime de plantão (24h/72h). Ou seja, durante 15 dias no mês, o IML de Teixeira não tem médico. Se um deles fica de férias ou licença, aí o problema se agrava ainda mais.

Vale ressaltar que o Rabecão de Itamaraju, tem 10 (dez) anos de uso e está quebrado no estacionamento da 8ª COORPIN, em total estado de abandono, enquanto isso, as famílias vão passando constrangimento à espera da remoção e liberação dos corpos. Muitas vezes a demora impede que os corpos sejam velados pela família. “A dor da morte já é forte, imagina o constrangimento da espera”, disse um corretor de imóveis, que ficou 02 (dois) dias esperando pela liberação do corpo de um familiar, necropsiado em Itamaraju.

Enquanto isso, as funerárias disputam lado a lado, quem vai fazer a próxima remoção. “É um absurdo. O Estado está abandonando a Segurança Pública em nossa região. Médico legista e rabecão devem ser prioridades no Sistema Policial. Nada choca mais que a morte, nada pior para a família do que esperar demasiadamente para ter o corpo do seu ente querido liberado, muitas vezes sem poder velar, pois o tratamento de um corpo é caro”, disse um dos denunciantes.

Por: Lenio Cidreira/Liberdadenews

Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *