Alemã acende velas todos os dias para vítimas da Covid-19 no país

Gertrud Schop, de 60 anos, já dispôs 8 mil velas na forma de uma cruz, representando os mortos na Alemanha desde março. Ela pretende continuar com homenagem até que se encontre uma vacina contra o coronavírus.

A cada noite, o mesmo ritual: a alemã Gertrud Schop, 60, acende milhares de velas para as vítimas da pandemia do novo coronavírus, uma iniciativa à qual pretende dar continuidade “até que se encontre uma vacina”.

Arrumadas em formato de cruz, as velas pretendem homenagear as pessoas mortas pela Covid-19. Cada uma representa um dos 8 mil mortos registrados no país desde março.

Gertrud Schop acende velas na forma de uma cruz, dedicadas às vítimas de Covid-19 na Alemanha, em Zella-Mehlis  — Foto: Jens Schlueter/AFP

Gertrud Schop acende velas na forma de uma cruz, dedicadas às vítimas de Covid-19 na Alemanha, em Zella-Mehlis — Foto: Jens Schlueter/AFP

“Queria que as cifras do Instituto Robert Koch (especializado em doenças infecciosas no país) ganhassem visibilidade”, conta esta católica fervorosa, moradora da pequena cidade de Zella-Mehlis, na região da Turíngia. “Estas cifras em uma folha de papel, uma estatística, não chegam ao coração como uma instalação que cresce a cada dia.”

Gertrud Schop acende velas na forma de uma cruz, dedicadas às vítimas de Covid-19 na Alemanha, em Zella-Mehlis  — Foto: Jens Schlueter/AFP

Gertrud Schop acende velas na forma de uma cruz, dedicadas às vítimas de Covid-19 na Alemanha, em Zella-Mehlis — Foto: Jens Schlueter/AFP

Iniciado no começo de março, o projeto previa o acendimento de uma vela branca por pessoa infectada, além das velas vermelhas depositadas em homenagem aos mortos. Mas devido à explosão do número de casos, Gertrud teve que abandonar o projeto inicial e, agora, dedica velas apenas aos mortos.

Gertrud Schop acende velas na forma de uma cruz, dedicadas às vítimas de Covid-19 na Alemanha, em Zella-Mehlis  — Foto: Jens Schlueter/AFP

Gertrud Schop acende velas na forma de uma cruz, dedicadas às vítimas de Covid-19 na Alemanha, em Zella-Mehlis — Foto: Jens Schlueter/AFP

Embora a epidemia esteja perdendo força na Alemanha, país menos atingido em número de óbitos em relação aos vizinhos europeus, Gertrud não pretende parar de somar velas diariamente à sua instalação. Determinada, ela prosseguirá com a obra até a descoberta de uma vacina.


Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *