Retorno às celebrações com presença dos fiéis exige atitudes contra a infecção do novo coronavírus

????????????????????????????????????

O retorno às celebrações com presença dos fiéis exige atitudes e posturas contra a infeção pelo novo coronavírus. É o que diz o documento enviado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) aos bispos com “orientações Litúrgico-Pastorais para o retorno às atividades presenciais”. O assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB, padre Leonardo Pinheiro, gravou um vídeo explicando essas orientações e ressaltando os cuidados que devem ser tomados antes, durante e depois das celebrações diante nesse contexto de pandemia.

Após quase três meses de atividades suspensas, algumas arquidioceses e dioceses no Brasil retomam, aos poucos, as celebrações com a presença dos fiéis. A rotina de abertura das igrejas foi possível depois que governos municipais e estaduais publicaram decretos autorizando a realização das missas com o povo.

CNBB envia aos bispos do Brasil orientações litúrgico-pastorais para retorno às atividades

Mas esse retorno “requer um bom planejamento, muita coragem e esperança, pois a Igreja também tem a grave responsabilidade de prevenir o contágio da COVID-19, em sintonia com as autoridades sanitárias”, diz o documento da CNBB. A Comissão para a Liturgia ressalta que, na medida em que for retomada a participação comunitária nas celebrações, segundo as orientações dos Bispos diocesanos, “será necessário garantir atitudes e posturas contra a infeção”.

Confira o vídeo do padre Leonardo Pinheiro:

Arquidioceses e dioceses retornam às atividades presenciais

Desde o final de abril algumas arquidioceses e dioceses puderam retornar às atividades com a presença dos fiéis, mas sempre com orientações de higiene e distanciamento, de modo a evitar o contágio pelo novo coronavírus. Paralelamente, algumas Igrejas Particulares tiveram que voltar com medidas mais restritivas, por conta do aumento de casos em suas localidades. Confira alguns destaques:

Nordeste 1

No Ceará, as Igrejas continuam fechadas, uma vez que as cidades estão em fases diferentes de abertura ou fechamento total. Em nota, os bispos do Regional Nordeste 1 da CNBB sugeriram que cada diocese adote no seu planejamento as medidas de proteção propostas pela CNBB que visam ao cuidado, à defesa e à preservação da vida. “Enquanto isso, as nossas celebrações continuarão acontecendo a portas fechadas, sem a presença dos fiéis, que delas participam através das mídias, à exceção daquele número bem reduzido dos que deverão exercer serviços e ministérios litúrgicos”.

Nordeste 2

No Rio Grande do Norte, os bispos da Província Eclesiástica de Natal resolveram manter as igrejas fechadas. Há receio de que uma abertura seja sucedida de uma necessidade de fechar novamente, uma vez que a rede pública de saúde já se aproxima da ocupação máxima.

As primeiras experiências para a retomada das celebrações litúrgicas com a presença dos fiéis ficam por conta das arquidioceses da Paraíba (PB) e de Olinda e Recife (PE) e da diocese de Guarabira (PB). Nos templos, deve ser respeitada a lotação máxima de 30% da capacidade total, além de uma série de recomendações para a segurança dos fiéis dentro dos espaços litúrgicos. Saiba mais. 

Nordeste 3

Em Salvador (BA), a arquidiocese segue os decretos municipal e estadual, que determinam missas com, no máximo, 50 pessoas dentro dos templos. Porém, a maior parte das paróquias está realizando a Celebração Eucarística sem a presença dos fiéis, com transmissão ao vivo pelas redes sociais.

Em Aracaju (SE), o arcebispo dom João José Costa está preparando um novo decreto com orientações e critérios para a retomada das celebrações nos templos. O documento estará em sintonia com as orientações apresentadas pela CNBB e também nas recomendações das autoridades civis. As paróquias irão promover as readequações necessárias para as celebrações presenciais.

Nordeste 5

No dia 15 de junho, foi publicado decreto com as novas normas para o funcionamento das paróquias. O documento normatiza, sobretudo, a reabertura das igrejas para a celebração da missa com a presença de fiéis e ressalta não se tratar “da liberação geral das dependências, muito menos o abandono das práticas sanitárias adotadas mesmo quando fechadas”. No texto, há a regulamentação da quantidade (em porcentagem) de pessoas e reforço dos cuidados em uma retomada gradual da vida eclesial.

Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *