Após deixar de ser a única do país sem Covid-19, Cedro do Abaeté confirma mais dois casos e chega a 4 positivos

Município tem 1.157 habitantes e, desde então, tem adotado mais medidas e publicou decreto para tentar conter o coronavírus. Dados são da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MG).

Mais dois casos da Covid-19 foram confirmados em Cedro do Abaeté, conforme mapa criado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-MG) atualizado nesta quarta-feira (16). O município totaliza quatro casos da doença; uma pessoa já se recuperou da doença e outras três seguem em acompanhamento, segundo a SES. Até a última semana, Cedro do Abaeté era a única cidade do país sem nenhum caso do novo coronavírus.

O G1 entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde para saber como está a cidade e os pacientes após esses registros. Contudo, a Secretaria responde somente que os três pacientes em acompanhamento são do sexo masculino, têm mais de 60 anos e estão bem. A reportagem também entrou em contato com a SES-MG para saber detalhes dos casos (veja nota abaixo).

Nesta segunda (14), a secretária municipal de saúde de Cedro de Abaeté, Cássia Maria dos Santos, disse em entrevista ao G1 que além dos dois casos confirmados pelo Estado no domingo (13), o que tirou da cidade o título de única do país sem Covid-19, o município aguardava o resultado de um terceiro caso.

Nesta quarta, a Secretaria Municipal de Saúde informou a reportagem que este caso foi descartado e não tem ligação com os dois novos casos que foram positivados na cidade.

Segundo o último Censo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município tem 1.157 habitantes e fica distante 35 quilômetros de Abaeté, cidade mais próxima, com 23 mil habitantes.

Nota SES-MG
“A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informa que não pode divulgar tais informações por motivos de confidencialidade, garantindo assim a privacidade dos indivíduos, em especial por se tratar de um município pequeno.

Os dados são divulgados pela SES, de maneira compilada, no perfil epidemiológico dos casos, que pode ser acessado por meio do link: https://coronavirus.saude.mg.gov.br/painel”.

Última cidade sem Covid
Cedro do Abaeté ficou conhecida por ser a única cidade no país a não registrar casos de Covid-19 desde o início da pandemia. No entanto, a situação deixou de ser essa no último domingo (13), depois da confirmação de dois casos positivos em moradores na cidade.

Na segunda, a secretária municipal de saúde Cássia Maria dos Santos disse em entrevista ao G1 que estava “decepcionada, triste, com sensação de impotência” com a situação. Para tentar conter o avanço do vírus, o município editou um decreto que restringe atividades comerciais na cidade, aproveitando também a regressão de Onda no programa “Minas Consciente”.

Cedro do Abaeté estava na Onda Verde desde a adesão ao plano estadual, em junho. No entanto, com a confirmação de casos a cidade regrediu para Onda Amarela, conforme avaliação semanal do Governo. Ainda na segunda, Cássia disse ao G1 que o decreto limita os horários de funcionamento dos bares e armazéns na cidade.

Outra medida citada pela secretária era que membros do Conselho Tutelar iriam, junto com a Prefeitura, fiscalizar as Praças e orientar que crianças e adolescentes não saiam de casa se não for necessário.

Durante os últimos meses a cidade investiu em diversas ações para evitar que o vírus circulasse no município. Uma bicicleta de som foi usada para percorrer as ruas emitindo mensagens de alerta e prevenção aos moradores. Além disso, o município treinou servidores para que fossem orientar a população de porta em porta.

A confirmação do diagnóstico dos pacientes ocorreu nove meses após o primeiro registro da doença no país e em momento de alta no número de casos – que já beiram os 6,9 milhões – e mortes – que se passam dos 180 mil.

“Sensação de impotência”
Em entrevista concedida anteriormente ao G1, a secretária de Saúde disse que o sentimento de tristeza com a confirmação dos casos no município era inevitável.

“Eu fico muito triste. Foram mais de nove meses desde o início da pandemia no país sem o vírus aqui. A vacina está para chegar a qualquer hora e eu estava esperançosa que iria sair antes de termos casos. Trabalhamos para isso, a gente preparou a nossa população para isso. Falamos, batemos na mesma tecla, pedimos. Funcionários da Prefeitura orientaram. Uma bicicleta de som rodou a cidade inteira fazendo o alerta de manhã e à tarde. Pedimos às famílias que saíssem só se houvesse necessidade. Parece que tudo o que fizemos foi em vão. Ficamos com sensação de impotência muito grande”, lamentou Cássia Maria dos Santos.

Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *